26 novembro 2011

As 10 piores gafes de um casamento

Pés doloridos, carro sujo e convidados constrangidos: aprenda a evitar os micos mais comuns no grande dia

Bianca Iaconelli e Cáren Nakashima, especial para o iG São Paulo | 20/11/2011 08:00

Você tem uma aliança no dedo, um noivo solícito e um batalhão de amigas dispostas a ajudar a planejar o grande dia. Mas, acredite, isso não é suficiente para garantir que tudo na cerimônia saia perfeito. Noivos e experts em casamento dividem sua experiência para ajudar você a evitar as gafes mais comuns em uma cerimônia.

 

Imprevistos e trapalhadas podem tornar o grande dia ainda mais inesquecível, mas por motivos tragicômicos

Para as noivas, o perigo mora...

1. No sapato


Onde o mico está à espreita:
Ficar com o pé dolorido no seu próprio casamento é uma lembrança bastante viva para a publicitária paulistana Camila Leme, de 32 anos. “Aluguei o sapato e só o recebi junto com o vestido, um dia antes da festa. No meio da cerimônia eu não aguentava mais de dor”, conta. No fim da festa, com os pés cheios de bolhas, Camila recorreu a um par de chinelos, lembrancinha para os convidados. “Saí com ele nas fotos. Ainda bem que o vestido longo cobria meus pés”.
 

Como evitá-lo: “Experimentar e amaciar o sapato antes é fundamental para evitar qualquer problema. Use em casa e veja antes onde ele pode te machucar”, conta a consultora de etiqueta Ligia Marques.


2. Nos cabelos

Onde o mico está à espreita:
“A noiva entrou no corredor em direção ao altar, mas a ponta do véu longo prendeu no tapete e lá se foi o penteado”, relembra Tarsila Palma, proprietária da Due Fiori Assessoria de Casamentos. “Isso acontece sempre porque os cabeleireiros não colocam muitos grampos, para facilitar a retirada depois da cerimônia”.
 
Como evitá-lo: Até o fato de abraçar muitas pessoas no dia pode ocasionar a queda do véu ou de outro arranjo de cabeça. Abuse dos grampos e do laquê e peça que alguém ajude na retirada deles depois.

3. Nas madrinhas

Onde o mico está à espreita:
“Ao convidar suas madrinhas, não imponha regras para a escolha da cor dos vestidos”, sugere Ligia. “É uma gafe de etiqueta das grandes. A pessoa pode se sentir intimidada”.
Como evitá-lo: Simplesmente deixe as madrinhas à vontade. A exceção fica por conta das cores preto e branco: a noiva pode vetá-las. Usar uma destas cores no altar é uma gafe ainda maior.


4. Na maquiagem

Onde o mico está à espreita:
“Saí em algumas fotos com os cílios postiços em queda livre. Um tio mais velho perguntou se aquilo era coisa de travesti!”, diverte-se a fisioterapeuta Egle Oliveira, de 29 anos.
 
Como evitá-lo: “De tanto chorar, além de borrar a maquiagem os cílios da noiva podem descolar e criar uma situação desconfortável no altar ou durante a festa”, diz Tarsila.Na maquiagem da noiva, tudo é permitido, desde que executado com bom senso e técnica profissional.
 
5. No buffet

Onde o mico está à espreita:
“Todos os convidados se serviram bem. Mas os que quiseram repetir ficaram na vontade, porque a quantidade era limitada”, relembra a assessora Tarsila sobre o buffet de uma certa festa de casamento. “Também já vi faltar gelo e a bebida ser servida quente”, diz.
 
Como evitá-lo: Calcule quantidades extras para garantir o conforto dos convidados.


A maquiagem da noiva precisa ser à prova de emoções e abraços

 
Para os noivos, o perigo mora...

6. No carro
 
Onde o mico está à espreita:
A maioria das noivas aluga um carro cheio de pompa e circunstância para levá-las ao casamento. Mas muitos noivos vão dirigindo o próprio carro. “Já presenciei briga da noiva com o noivo no final da cerimônia, pois o carro dele estava sujo e feio na porta do salão”, conta Tarsila.
 
Como evitar: Reserve espaço na agenda do dia para lavar e encerar o automóvel.

7. Na hora da gravata

Onde o mico está à espreita:
A brincadeira de passar a gravata do noivo para arrecadar dinheiro é antiga e parece amparada pela tradição. Mas está caindo em desuso. “É deselegante, nem todos os convidados podem ter uma nota alta para participar e ficam constrangidos”, explica Lígia.
 
Como evitar: Como noivo, não endosse a brincadeira. Como convidado, se quiser garantir, leve sempre algum dinheiro nas festas. Ou contorne a abordagem com senso de humor.

8. Na lista do chá-bar

Onde o mico está à espreita:
“Ao montar a lista de presentes para o chá-bar, nada de pedir bebidas caras! Isso demonstra falta de etiqueta”, atesta Ligia.
 
Como evitá-lo: Faça a lista de chá-bar e sugira algumas marcas, mas o melhor é deixar os convidados escolherem o que levar. E todas as bebidas devem ser servidas no chá.

9. No apoio técnico à festa

Onde o mico está à espreita:
“Em uma festa que assessorei, o noivo quis economizar e abriu mão do aluguel de geradores. Durante a festa, acabou a luz no bairro todo e o casamento foi à luz de velas. No quesito visual ficou bonito, mas as comidas e bebidas ficaram comprometidas”, lembra Tarsila.
 
Como evitá-lo: Normalmente, durante a preparação da festa, alguns detalhes técnicos como a contratação dos sistemas de som e luz ficam por conta dos noivos. Converse com profissionais e faça uma escolha consciente.

10. Nos atrasos

Onde o mico está à espreita:
“Eu estava no salão de beleza, fazendo o dia na noiva, quando meu noivo me ligou contando que iria se atrasar, enquanto eu planejava chegar na hora certa”, relembra a advogada Mariana Beltrão, de 29 anos, recém-casada. Mariana entendeu o motivo: o noivo ficou responsável por levar alguns parentes à igreja. Por isso, chegou 40 minutos atrasado. “Preferi esperar no salão de beleza, ou pensariam que fui abandonada”, conta.
 
Como evitá-lo: A regra dos 15 minutinhos de tolerância vale para os homens também. Este deve ser o máximo de atraso para qualquer um dos dois – e também para os padrinhos.

Um comentário:

  1. Olá.
    Adorei sei blog e já me tornei seguidora. Aproveito a oportunidade para te convidar a participar do meu blog: www.tecendocomstylo.blogspot.com

    Abraço,

    Andressa Muniz

    ResponderExcluir

GALJY Cerimonial e Eventos © Copyright 2012.|TODOS DIREITOS RESERVADOS| Feito porLaysa layout.